Metodologia

A pesquisa “Construindo Juntos” foi desenvolvida a partir de uma metodologia de Pesquisa de Ação Participativa (PAP, ou Participatory Action Research), baseada numa colaboração entre a Northeastern University em Boston, USA e moradores da Cidade de Deus. Ela tem os seguintes objetivos:

  1. Implementar uma pesquisa onde os moradores da Cidade de Deus participam da geração de dados e de conhecimento sobre suas realidades;
  2. Gerar uma amostra representativa sobre o desenvolvimento social, a segurança e a resiliência na Cidade de Deus;
  3. Utilizar esses dados para reivindicar melhorias para a Cidade de Deus.

 

Teoria da metodológica da PAP

Apesar da abundância de pesquisas dentro e sobre as favelas, poucas oportunidades existem para os moradores de favelas serem protagonistas nessas pesquisas. Isso gera um desequilíbrio entre os pesquisadores e a comunidade, dando muito poder para os pesquisadores decidirem quais questões são mais relevantes, quais tipos de coleta de dados são mais adequados, e como esses dados deveriam ser interpretados. Nesse modelo tradicional de pesquisa, os moradores se tornam em objetos, e não protagonistas, na geração de dados e de conhecimento sobre sua comunidade, ajudando a manter moradores de favela numa posição desigual dentro da sociedade. O nosso objetivo foi de lançar uma pesquisa participativa que reverte esse modelo tradicional, criando oportunidades para os moradores da Cidade de Deus serem protagonistas da geração de conhecimento sobre sua própria comunidade

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Estrutura da Pesquisa

A pesquisa foi implementada em três etapas:

1a Etapa: Rodas de Conversa

Em janeiro de 2017, organizamos seis rodas de conversa com 65 moradores da Cidade de Deus. As rodas de conversa – todas abertas ao público e divulgadas pelo CDD Acontece, outras redes sociais e cartazes – ocorreram nas quatro áreas da CDD e contaram com a participação de pessoas de diversas idades, gêneros e raças. Também convidados moradores para contribuírem suas opiniões no CDD Acontece. Em total, mais de 100 moradores participaram do desenvolvimento da pesquisa.

Baseado em todas essas conversas, montamos um questionário para medir de uma forma quantitativa a ocorrência dos temas mais relevantes e abrangentes. Foram 110 perguntas em total. Apresentamos o esboço do questionário para moradores da Cidade de Deus, e junto com eles fizemos modificações e adições.


2a Etapa: Coleção de Dados

Em março de 2017, fizemos a coleta de dados. Os objetivos da nossa amostra eram de ser:

  • Representativa da distribuição geográfica e de idade e gênero: Baseamos nossa amostra em dados do IBGE (2010) e do Instituto Pereira Passos (2010). Para alcançar a representatividade, entrevistamos moradores em todas as áreas e sub-áreas da Cidade de Deus e dividida relativa a porcentagem de moradores em cada local. Também focamos em entrevistar um número representativo de jovens, adultos e idosos e de homens e mulheres. Não encontramos dados sobre a divisão racial na Cidade de Deus, porém também procuramos uma amostra variada na identidade racial dos entrevistados.

 

  • Aleatória: Dentro do possível, procuramos uma amostra aleatória. Para conseguir isso, entrevistamos uma a três pessoas em cada rua da Cidade de Deus. Batemos nas portas de casas, apartamentos e entrevistamos pessoas com tempo e interesse. Também entrevistamos funcionários e clientes em pequenos negócios e pessoas caminhando na rua ou sentadas nas calçadas ou nas praças. Por motivos de segurança, a maior parte da coleta de dados ocorreu durante a semana entre 9h-18h. Porém, também fizemos entrevistas de noite e no fim de semana para incluir pessoas que poderiam estar no trabalho durante os dias da semana.

 

  • Limitada a moradores da Cidade de Deus: A Cidade de Deus é uma construção politica, econômica e social, sendo que cada órgão do estado e cada morador defini os limites dela de uma forma diferente. Seguindo o modelo da PAP, decidimos priorizar a perspectiva do morador, e não do estado. Desenhamos um mapa abrangente da Cidade de Deus que incluía até os pontos mais distantes – como o Outeiro (depois da Farmanguinhos), o Pantanal 2 e o AP da PM – e fomos em todos esses locais. A primeira pergunta do questionário foi “Você se considera morador(a) da Cidade de Deus?” Entrevistamos qualquer pessoa (acima de 17 anos) que respondeu no afirmativo. Somente no AP da PM encontramos algumas pessoas que não se consideravam moradores da CDD.

Para a coleta de dados, utilizamos uma estratégia de colmeia de abelha. Toda a equipe – 17 pessoas em total – estavam vestidos com a camisa do projeto e abordamos juntos cada área da CDD, nos espalhando em cada bloco mais sempre podendo ver outros membros da equipe. Isso teve o impacto de mostrar uma visibilidade do projeto aos moradores nas ruas e de dar uma proteção aos pesquisadores por não estarem em campo sozinhos.


3a Etapa: Divulgação e Análise Coletiva de Dados

 Em agosto e setembro de 2017, apresentamos os dados aos moradores da Cidade de Deus e outros grupos privados e públicos com interesse em utilizar esses dados para trazer melhorias para o território.

Para alcançar uma grande e diversa população, a divulgação será feita em diversas formas. Isso inclui dois dias de entrega de um informativo com alguns dados por todas as partes da Cidade de Deus, feita pela equipe de pesquisa, que irá caminhar pelas ruas e abordar moradores nas ruas, nas praças, nos comércios e em casa. Pretendemos alcançar por volta de 1.000 moradores. Também estamos fazendo vários encontros e apresentações com grupos organizados na Cidade de Deus, com funcionários públicos e com pesquisadores em universidades no Brasil e nos Estados Unidos.

No sábado, dia 9 de setembro, faremos uma apresentação aberta ao público onde moradores da CDD podem aprender mais detalhes da pesquisa e dos dados, fazer perguntas ou sugerir possibilidades de ação a partir dos dados. A reunião será realizada as 14 no espaço Os Arteiros, que fica em frente a escola de samba Coroado nos AP.

Moradores da comunidade, pesquisadores, e outros atores privados e públicos interessados em trazer melhorias para a CDD podem ter acesso a esses dados. Esperamos que os dados sejam úteis em projetos de editais, artigos para revistas ou jornais, redes sociais, ou qualquer outro projeto de divulgação e mobilização. Também pretendemos fazer publicações em revistas acadêmicas – em português e inglês – em breve. Favor entrar em contato com Anjuli Fahlberg, a.fahlberg@neu.edu, para acesso aos dados ou ideias para parcerias acadêmicas.

 

Nossa Amostra

Em 10 dias, entrevistamos 965 pessoas. Também divulgamos o questionário pelo Facebook no CDD Acontece e recebemos mais 24 respondentes, para um total de 989 respondentes. Segue a divisão de respondentes por região: